terça-feira, 25 de maio de 2010

Reinventing love

Alguns ficam pasmados quando, ao olhar, vêm em nós uma cumplicidade involuntária. Dizem-nos que quando forem grandes querem ter uma relação como a nossa, em que todos os dias parecem o primeiro, em que o abraço ainda sabe ao mesmo e o beijo ainda arrepia os sentidos.

Meu amor, deixa-me contar-lhes que reinventamos o nosso amor todos os dias. Uns dias amo o teu cabelo caído, meio despenteado do vento. Noutros levo-te ao cinema e, quando me poisas a mão na perna, sei que não te pertenço mas que me ataria a ti sem ter que reflectir. Quando passamos os dias a estudar, compenetradas nos nossos próprios problemas, em que não sobra réstia de tempo para nos olharmos com o amor habitual, é ao teu lado que sonho estar todas as noites. E, quando o amor se conforta, agitamo-lo com os nossos planos e sonhos. Não o deixamos adormecer, embora ele saiba que tem poiso seguro onde descansar, que dele não nos esquecemos. Nunca.

Papoila

5 comentários:

Ana disse...

Não há palavras para voçês! São lindas! Desejo-vos a maior felicidade deste mundo.
ES

Rita disse...

Inspiram-me, vocês inspiram-me!
=)

A miúda dos Abraços
http://lapislavra.wordpress.com

Anita disse...

INSPIRAÇÃO PURA! oh! é tão am.... azing! ^^ *

Morcegos no Sótão disse...

E assim me apaixonei por vocês...

Adoro casais felizes! Fico tão feliz só por saber que existem que não há palavras! Obrigada por me ajudarem a acreditar. =)

MJNuts

Nina disse...

É só mel, estas meninas! :D Beijos, muitos e bons namoros!