sábado, 2 de março de 2013

Food for thought

Estas ultimas semanas estive a fazer um estágio de psiquiatria e, como estava em contexto, aproveitei para evangelizar o povo.

Papoila: Ah! Dra, já agora, qual é a sua opinião acerca da parentalidade por casais do mesmo sexo?
Psiquiatra: Olha, não sou a favor...
Papoila: Então, mas por que razão?
Psiquiatra: Aaa... porque acho que, para o correcto desenvolvimento de uma criança, é necessário a presença de um papel masculino....
Papoila: Sim, Dra, concordo que é importante que qualquer criança tenha contacto com ambos os sexos... Mas as crianças não estão isoladas. Num casal de mulheres com uma criança, por exemplo, esse papel pode ser representado pelo tio, pelo avô, pelo professor, pelo amigo...
Psiquiatra: Pois, mas as crianças não têm um desenvolvimento normal...
Papoila: Olhe, aí é que se engana. Existem já vários estudos que reportam que as crianças têm um desenvolvimento completamente normal. Apontam apenas para duas diferenças: são crianças muito mais tolerantes e não esteriotipadas quanto ao papel do homem/mulher.
Psiquiatra: Mas esses estudos já são antigos...
Papoila: Olhe que não, existem muitos estudos recentes. Se quiser eu até lhos posso mostrar. Ou enviar para o e-mail, se preferir... E, se pensar nas crianças que são criadas pela mãe e pela avó, elas têm um desenvolvimento como qualquer outra criança...
Psiquiatra: Mas num casal de mulheres, por exemplo, uma delas tende sempre a desempenhar o papel do homem...
Papoila: Posso dizer-lhe, por experiência própria, que isso não é nada assim. É certo que pode acontecer, mas não é a norma...
Psiquiatra: Pois, eu já sou velha... Esta é a minha opinião.
Papoila: A Dra. não é nada velha. Imagine, Dra, que a sua filha era homossexual. Podia acontecer...!
Psiquiatra: Pois... podia. Não tenho nada contra isso... as pessoas têm o direito de fazer o que quiserem.
Papoila: Pronto, imagine que ela era homossexual. Não acha que ela tem competências suficientes para criar e educar uma criança? Ia privá-la de ser mãe? Para muitas pessoas a realização pessoal passa pela parentalidade...
Psiquiatra: (silêncio)
Papoila: (Job completed. Mais uma que ficou desarmada...!)

Papoila

9 comentários:

Lilás disse...

Acabaste de te tornar o meu maior idolo!

You rock!

:)

Anónimo disse...

Ouvir colegas médicos falar em nome da ciência, alimentando preconceitos homofóbicos é tão comum como assustador. Tb eu já ouvi essas teorias durante o curso e internato. Confesso que nem sempre tenho coragem ou ânimo para argumentar! Parabéns e obrigada!

Nikkita disse...

Ai Papoila, um abraço para ti por esse discurso! Tão bem dito! :)))
(acho que desarmaria qualquer um! ;) )

T.S. disse...

Excelente, Papoila! :D Sou tua fã! lol Acho que vou anotar para aprender a desarmar assim quem merece. :p

Carla |O| disse...

:) Well done.

Me, Myself and I disse...

Great job... palavras sabias :D

Mary J. disse...

Quando sabemos que temos razão, nada nos deve parar :)
Beijinhos para as duas!*

Anónimo disse...

Sempre que venho visitar o vosso cantinho, fico com a impressão que vocês, merecem a família que desejam ser, por tudo o que são: Fantásticas!
Um abraço amigo,
Elisabete

Segredos de Alguém disse...

Papoila a abrir mentalidades desde x!!

Muito bom xD