terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Today at work or 'how to be a secretary'


Hoje cheguei a casa muito aborrecida... daqueles aborrecimentos que deixam o coração apertado e um nó na garganta. Ora... pela terceira vez consecutiva, passei o dia de consultas a fazer de secretária. 

Sua Exmas. Docs. julgam-me menina de recados e, em vez de me ensinarem ou me deixarem fazer as avaliações, passam o dia a pedir-me coisas como: 1) vai chamar a doente; 2) vai buscar o papel à impressora; 3) vai chamar a enfermeira; 3) vai buscar a auxiliar; 4) traz-me uma mica; 5) troca-me este agrafador; 6) não gosto deste novo agrafador, arranja-me outro; 7) vai buscar a folha à impressora; 8) vai pedir para fotocopiar esta folha; 9) vai dizer à senhora X que tem que se inscrever; 10) diz à senhora Y para voltar; 11)traz-me o impresso de consentimento informado; 12) traz-me o papel da anestesia; 13) atende o telefone; 14) (isto continua, por muito tempo!).

Entre isto, ainda ouvi algumas bocas sem qualquer sentido e/ou completamente despropositadas. E passei por incompetente, simplesmente por não conhecer qual o sistema/dinâmica da consulta (como haveria de conhecer se esta foi apenas a 3ª vez em que lá estive?! - há coisas que não se aprendem por osmose...)

Depois de uma manhã (e meia tarde) neste esquema - em que estive constantemente a levantar-me da cadeira e a fazer favores, em vez de estar a assistir à consulta e a aprender alguma coisa (que era a minha função ali) - dizem-me que estive muito abólica (de abulia). 

Abólica?! ... [eu, incrédula]

Muito dizem dos médicos - Ganham bem! Têm uma vida fácil e relaxada! ... O tanas! A verdade é que, para se chegar alto, se pena MUITO. Se gastam muitas horas na tortura do estudo. Se engolem muitas queixas. Se toleram muitas injustiças. Se faz o trabalho do próprio, e o do chefe, não ficando com nenhuns louros. Se tem uma qualidade de vida má (os que a têm boa, estão em cargos de chefia ou orientação). Se tem uma responsabilidade tramada e uma carga emocional que, até para os durões, tem o seu peso.

Voltaria a escolher este caminho... mas há dias que não são fáceis. Especialmente quando não reconhecem a nossa posição de estudante e, em vez de merecerem os 1000 e muitos euros que recebem para nos ensinarem, fazem de nós utilitários. E, mais, quando questionamos alguma coisa temos direito a respostas tão secas, curtas e directas que a vontade de perguntar mais alguma coisa é desde logo abolida.

Vida... E o pior é que ainda me faltam uns bons anos nesta condição!

Papoila

4 comentários:

Amelia disse...

oh :( vai melhorar, Papoila

Carla |O| disse...

Acabaste de fazer, em parte, o retrato de todos os "subordinados" deste País. É o mal pior, esse de termos a "gerir-nos" quem para isso não tem competência. E custa.

Mas também há dias bons e também há pessoas competentes, interessadas e dispostas a dar de si para que outros possam ser mais e melhor. E vais encontra-las. E vão fazer a diferença. E tu vais chegar onde queres, capacitada como desejas e, quando for a tua vez, vais saber partilhar.

Força.

A.G. disse...

"Acabaste de fazer, em parte, o retrato de todos os "subordinados" deste País. É o mal pior, esse de termos a "gerir-nos" quem para isso não tem competência. E custa. " Amen! Sinto isso na pele todos os dias. É o que acontece quando o nosso "superior" é mais incompetente que nós. A minha esperança é que de um dia para o outro comece a existir um maior ratio de competentes nos locais de trabalho. Relativamente a Medicina, já é um ambiente stressante ainda deve ser mais complicado. Mas muita força, e que o sentido de "Missão" seja mais importante =)

Chocoholic disse...

Um dia o "saco" enche e eles vão perceber (eles sabem, mas só passam a ter respeito quando nós também falamos) que estás lá para aprender e não para ser secretária deles!
Mas infelizmente é assim mesmo adoram aproveitar-se dos "novos" para fazer aquilo que eles não têm paciência!