domingo, 21 de março de 2010

Mãos


Estamos quase, sinto-o. O meu coração já não me pesa tanto, meu bem. No cinema, é certo que os dedos se cruzarão e que te darei aquele abraço e aquele conforto que pedes quando a história é demasiado triste para o teu coração bom. À noite, no Bairro onde todos se cruzam e se encharcam, por mais longe que estejamos dessas vidas, sinto-me bem se te trago pela mão. O peito cresce, o queixo sobe, o sorriso mantém-se. Talvez ainda seja perigoso (o que pode acontecer, afinal?), mas não importa, sou mais feliz e leve. A noite está amena, o tempo está, finalmente, alegre, estamos na rua e sabe bem.
Beijo-te a orelha.

Orquídea

3 comentários:

orquídea disse...

:) isto é tão bonito... que me vêm as lágrimas aos olhos em simultâneo com um sorriso nos lábios... Respirar fundo e cabeça erguida, isso! :)

beijinhos

Inês disse...

Podem acontecer muitas coisas, inclusive haver quem vos sorria por isso. :)

Papoila e Orquídea disse...

orquídea, obrigada, também me deixaste um sorriso nos lábios por ler o teu comentário =) *

Inês, confesso que também eu sorri por ver certas pessoas em situações semelhantes (ou então foi a minha vontade de ver que me fez ter algumas ilusões, mas não importa, sorri na mesma)*