sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Diário de Viagem #1

foto original

Maputo, 7 Setembro 2011

Encaram a morte como uma vizinha com quem conversam regularmente. Não é uma vizinha amiga, mas é alguém presente todos os dias. Alguém bem conhecido. Por isso não lhes faz diferença que este ou aquele se vá, desde que vá com Deus. O importante é que vá com Deus. Parece-me fé. Parece-me hábito. Parece-me já cultura enraizada, esta de ver a morte com compaixão. Uma espécie de aceitação animalesca, demasiado naturalista. Muitas vezes procurei a revolta, a incompreensão e o ódio pela morte, mas não os encontrei em ninguém. Talvez sejam apenas um povo fechado, cujas expressões não mostram o que o coração sente. Ou talvez seja eu a estranha, sendo minha a lacuna de não conseguir descortinar qualquer sentimento de tristeza ou frustração nas suas caras, enquanto no seu colo sustêm os últimos dias dos seus filhos.

Só lhes roubo um sorriso quando lhes mostro a fotografia que tiro às suas crianças doentes. Talvez a primeira e última vez que alguém lhes tirará uma fotografia. Dentro de mim vive a tristeza de não as conseguir imprimir para lhas dar, para se lembrarem do seu filho. Mas nelas fica a alegria da memória de que uma estranha guardou uma fotografia, e eterna prova, de que um dia elas e os seus filhos existiram. Naquilo que são as fugazes vidas de Moçambique.

Aqueles sorrisos envergonhados, sob a sabedoria vazia da minha bata branca, chegaram a valer-me os dias. Havia pessoas tão pobres, que a oportunidade de se verem num aparelho electrónico tão simples para nós, constituía a oportunidade de uma vida. Um sentimento principesco e real tão grande, que as enchia de alegria de terem sido fotografadas. De serem alvo de interesse. De serem especiais.

E assim acabou o meu percurso pela pediatria.

Papoila

3 comentários:

Muita História para contar... disse...

Putz, muito bom o texto. Talvez você não viu a tristeza deles, porque simplesmente era necessária um lente que lhe era proibida.

Mafalda disse...

Bastante interessante como, perante um fenómeno que toca a todos, diferentes gentes reagem das mais variadas formas (e vemos isso quanto mais vagueamos pelo Mundo). Nenhuma é mais ou menos válida, atrevo-me a dizer sentida, que outras.
Se podemos ter este tipo de situação como objecto de estudo, é verdade que perante um olhar e uma vivência mais pessoal, por mais que se posso falar a nível cultural, estas coisas ficam marcadas para toda uma vida.

Este texto relembrou-me momentos passados no serviço de oncologia.
Impossível esquecer.
São vidas.

Filip@ disse...

E parece-me que o percurso da Pediatria acabou bem . Ficam as memórias em bocadinhos de papel brilhante que irás relembrar muitas vezes e acredito que as gentes de Moçambique não vão precisar de fotografias para se lembrar de ti *